Aquecida umidificação Melhora …

Aquecida umidificação Melhora …

Aquecida umidificação Melhora ...

  1. David G McNamara. MBChB FRACP PhD ⇑
  1. Departamento de Pediatria, Saúde da Criança e da Juventude, da Universidade de Auckland, e com o Hospital de Starship Children, Grafton, Auckland, Nova Zelândia.
  1. M Innes Asher. MBChB FRACP
  1. Departamento de Pediatria, Saúde da Criança e da Juventude, da Universidade de Auckland, e com o Hospital de Starship Children, Grafton, Auckland, Nova Zelândia.
  1. Bruce K Rubin. MEngr MD MBA FAARC
  1. Infantil de Richmond na Virginia Commonwealth University Hospital, e com o Departamento de Pediatria da Universidade Virginia Commonwealth, Richmond, Virginia.
  1. Catherine A Byrnes. MBChB FRACP GCCE MD
  1. Departamento de Pediatria, Saúde da Criança e da Juventude, da Universidade de Auckland, e com o Hospital de Starship Children, Grafton, Auckland, Nova Zelândia.

Abstrato

MÉTODOS: Foi Realizado hum Estudo de 20 horas de Curto Prazo e de Longo Prazo de 10 Semanas Estudo cruzado randomizado comparando hum umidificador aquecido (HH) Pará hum permutador de calor e Humidade (HME) em Crianças estabelecidos traqueostomia COM. Os individuos were avaliados para eventos Clínicos, Exame clínico, Os níveis das vias Aéreas de citocinas e viscoelasticidade secreção das vias Aéreas.

RESULTADOS: Para o Estudo de Curto Prazo, 15 children were recrutados; Para o Estudo de Longo Prazo, 14 criancas were recrutados. Crianças Que Usam o HH tinha diminuído pontuação Exame respiratorio (P lt; 0,001), mas nenhuma alteração em eventos Clínicos a Curto Prazo. Houve Uma diminuição em eventos A CLINICOS Agudos (P = 0,008) no Estudo de Longo Prazo. Não foram encontradas Diferenças nsa Resultados viscoelasticidade de secreção das vias Aéreas OU OS níveis de citocinas em QUALQUÉR hum dos ESTUDOS, mas em Estes numeros de Amostras limitadas Eram.

CONCLUSÕES: Mais de 20 horas de uso, HH, em Comparação com HME, a Melhoria do Trabalho Respiratorio. Ao Longo de hum Período Mais Longo de Tratamento 10 Semanas HH resultou em Efeitos adversos Clínicos diminuíram.

Introdução

UMA OLHADELA

O Conhecimento Atual

Em Crianças traqueostomizados NÃO E conhecido o Método ideal de umidificação das vias Aéreas (umidificador aquecido, uma terapia de aerossol, or calor e permutador de Humidade).

O that this article contribui parágrafo O Nosso Conhecimento

Nas Crianças com traqueostomia Longo Prazo, umidificação aquecida melhorou o Conforto do Paciente e reduziu a Frequência de Complicações, em Comparação com o calor e permutador de umidade. Os Resultados Deste Pequeno Estudo necessitam de confirmação em Uma Investigação adequadamente alimentado.

Métodos

assuntos

Projeto de Estudo

A randomização de hum dos dois grupos foi realizada utilizando hum Gerador de Computador de mesa.

Estudo de Curto Prazo.

Estudo de Longo Prazo.

Como intervenções de Estudo

O HH utilizada Neste Estudo (MR850, Fisher & Paykel Healthcare, Auckland, Nova Zelândia) foi ajustado parágrafo fornecer Ar Condicionado a 37 ° C e 100% de Humidade Relativa. O Sistema umidificado era Composta de Uma fonte de Fluxo CPAP (HC211, Fisher & Paykel Healthcare, Auckland, Nova Zelândia) Para Gerar o Fluxo de ar, a MR850 HH, umidificador Uma Câmara (HC300 OU MR290, Fisher & Paykel Healthcare, Auckland, Nova Zelândia), um circuito de Respiração aquecida (HC505, Fisher & Paykel Healthcare, Auckland, Nova Zelândia), e Uma máscara pediátrica traqueostomia (Hudson / Teleflex Medical, Research Triangle Park, Carolina do Norte) Ligado a traqueostomia do Paciente. A máscara E Aplicado livremente atraves da traqueostomia de MoDo Que nenhuma pressao CPAP E Aplicada Às vias Aéreas do Paciente. O Fluxo de ar foi ajustado parágrafo removedor de CO2 A PARTIR do Espaço morto fazer circuito, e parágrafo NÃO fornecer o Benefício clínico no Trabalho de Respiração, de according com a fórmula:

Para o Estudo de Curto Prazo, monitoramos a Ocorrência de eventos Durante A Noite Clínicos: alterações tubo de traqueostomia de Emergência, bloqueios de tubo de traqueostomia, a necessidade de sucção, OU a necessidade de instilação de Solução Salina Adicional Para soltar como secreções e Ajudar uma Aspiração. Bloqueio tubo de traqueostomia foi Definida Como um Obstrução do tubo de traqueostomia com secreções that NÃO LIMPAR com Aspiração e exigiu Uma Mudança de tubo de emergência. De Todos os Cuidados das vias Aéreas were realizadas de according com Nossas Diretrizes Clínicas usuais e were registrados.

A pontuação clínica Respiratória Desenvolvido para Crianças com asma e bronquiolite foi USADO parágrafo Ambos OS ESTUDOS. 5 This E UMA (0-3) Sistema de pontuação de 4 Pontos de aumento da Gravidade parágrafo:

Frequência Respiratória Medida Ao Longo de hum Minuto, em relaçao Ao parágrafo normal, A Idade

Dispnéia (Julgados de according com a Alimentação, Atividade e nivel de Consciência)

Crepitações NA auscultação do peito. 5

Para AMBOS OS ESTUDOS, a Aspiração de secreções das vias respiratórias da traqueostomia foi padronizado. O HME foi removido e o Lúmen externo do tubo de traqueostomia Limpo com olhar estéril. Um cateter de sucção 8g Francês de * Tamanho com o Polegar Armadilha (TriFlo, fidelidade Saúde, Jackson, Mississippi) foi inserida de 1 cm de terminal Uma profundidade pré-determinada de Para Além da extremidade do tubo. Sucção de 100 mm Hg foi Aplicado EO cateter de sucção Retirada Lentamente com Agitação suave Ate a abertura do estoma da traqueostomia, E Depois repetido Uma Vez. A Amostra de secreções das vias respiratórias adquiridas na Armadilha Polegar foi inspeccionada visualmente, e Uma pontuação de avaliação de secreção visuais em Uma escala de 3 Pontos Aplicado Para uma dificuldade de Inserção do cateter, A Cor das secreções, o volume de da secreção, ea espessura da secreções DEPOIS 1 ml de Solução Salina aTRAVES aspirada was normais fazem cateter. 6, 7

Análise estatística

Comparações pareadas permitindo Efeitos de Período e Efeitos Sujeitos Fixos were conduzidos utilizando modelos lineares generalizados e contrastes Dentro-Sujeito, software utilizando de Estatística (SAS 9.1, SAS Institute, Cary, Carolina do Norte), Como Recomendado Pará Análise de Estudos de crossover. 9 Para o Estudo de 20 horas foi Utilizado hum modelo that incorporou Ambos OS periodos de ritmo 2 e 20 horas, portanto, APENAS Uma Única P valor E apresentado. Para Dados NÃO Distribuídos normalmente, FAÇA o login do UO Transformações de raiz quadrada were realizadas.

Resultados

PARA O Estudo de Curto Prazo 15 Crianças were Inscritos: 8 do sexo masculino, com Idade Média de 4 anos 6 meses (Intervalo de 1 mês a 17 anos) e ritmo medio de Duração de da traqueostomia 1 ano 3 MESES (Intervalo de 5 meses a 16 ano 9 meses). Anomalias craniofaciais, incluíndo uma Sequência de Pierre Robin (n = 4) e (Causas neurológicasn = 4), como were Indicações Mais Comuns de traqueostomia. Dois terços das Crianças apresentavam comorbidades, com condições neurológicas Sendo o Mais Comum. Todas as Crianças completaram o Estudo SEM violações do protocolo.

Não Há episódios de oclusão traqueostomia ocorreu Durante QUALQUÉR Período de Tratamento. Houve Uma Mudança de tubo de traqueostomia Marcação parágrafo dessaturação de Oxigênio, that ocorreu Durante o Tratamento com HH. Cinco das Crianças estavam em oxigénio da totalidade Ou de parte do Estudo, e Não foram avaliadas PARA O SpO2 . Nenhuma Diferença significativa foi encontrada Entre HH e HME Para a Frequência de Aspiração Durante A Noite (6,8 ± 5,0 vs 7,7 ± 5,0, P = 0,33), or o Número exigindo uma instilação de Solução salina normal (1,40 ± 2,16 vs 1,07 ± 1,39, P = 0,42). Tambem nao houve Diferença na Média overnight SpO2 (97,4% ± 1,3 vs 97,7 ± 1,3%, P = 0,46) OU Média taxa de Pulso (115,7 ± 26,9 batimentos / min vs 112,3 ± 31,8 batimentos / min, P = 0,45).

A menor Freqüência Respiratória foi (P = 0,04) em HH, em Comparação com HME apos 2 horas (38,5 ± 18,8 Ciclos / min vs 44,1 ± 17,4 Ciclos / min) e apos 20 horas (40,5 ± 16,7 Ciclos / min vs 42,5 ± 18,6 Ciclos / min) (Tabela 1). SpO2 em Crianças respirando ar ambiente foi semelhante no HH e HME (P = 0,06). A Exame pontuação Respiratória total de menor foi Durante HH that Durante HME (P lt; 0,001) APOS 2 horas (2,4 ± 2,2 vs 3,6 ± 2,4) e apos 20 horas (2,5 ± 2,0 vs 3,7 ± 2,6). Houve TAMBÉM Diferenças significativas nsa Componentes da Gravidade pontuação total de retrações de (P = 0,01) e Gravidade da sibilancia (P = 0,02).

Os Resultados dos Exames Clínicos parágrafo Estudo de Curto Prazo

Fluxograma PARA O Estudo a Longo Prazo. HME = permutador de calor e umidade.

O Número de individuos com Grandes eventos Clínicos Durante o Tratamento Durante a Noite com umidificador aquecido OU calor e permutador de Humidade (HME).

Dados de adesão PARA O Período de HH foi baixado parágrafo 9 individuos, e mostrou that a máquina foi ligada Por uma media ± SD de 94,8 ± 9,2% de dias, e 11,8 ± 2,8 horas por día. Mais pais relataram Satisfação com HH fazer that com HME (11 vs 9 Satisfeito, 0 vs 2 NÃO estiver Satisfeito, P = 0,02), sem Diferença Estatística em detrimento final (8 vs 2, P = 0,07). De: Não houve Diferença na Avaliação da secreção visuais em QUALQUÉR hum dos Estudos (ver Tabela 1).

Nenhum Efeito significativo do treatment were encontrados parágrafo QUALQUÉR das citocinas inflamatórias medidos. No Estudo de Curto Prazo P Valores OS were 0,73. 59 e 0,49 parágrafo IL-8, IL1β e Fator de necrose tumoral alfa, respectively, e Os correspondentes Valores PARA O Estudo de Longo Prazo were 0,21. 54 e 0,66. De: Não houve Diferenças significativas NAS medições de reologia Entre OS Tratamentos sem Estudo de Curto Prazo (P = 0,69 PARA O módulo viscoso a 1 e 100 rad / s, P = 0,55 e 0,84 PARA O módulo de elasticidade). APENAS 10 Amostras de Qualidade adequada estavam Disponíveis Para esta Análise.

Discussão

Crianças Que Usam HH Mais de 20 horas de Tratamento apresentaram Menores escores de (Melhor) de Exame respiratorio, mas NÃO Diferenças de Eventos Clínicos adversos, em Comparação Ao Uso do EQUIPAMENTO. Mais de 10 Semanas periodos de Tratamento, Menos Crianças com traqueostomia Longo Prazo Teve hum Evento adverso clínico com HH fazer that com HME; NÃO houve Falhas no Tratamento com HH, mas dois individuos abandonaram o Estudo, enquanto não HME. Os Efeitos da umidificação inadequada São conhecidos POR Aumentar com a Duração, 10 O Que PODE explicar como Diferenças de Eventos Clínicos Entre OS ESTUDOS de 20 horas e 10 Semanas.

Desempenho e Custo de Thermovent-T calor e Humidade trocador Versus MR850 umidificador

Durante o Estudo de Curto Prazo, encontramos Uma Diferença de ACHADOS fazer Exame clínico Entre HH e HME, mas o investigador NÃO foi mascarado PARA O grupo de treatment. Durante o Estudo de Longo Prazo, Não houve Diferença Entre OS Tratamentos Durante o Exame clínico cego: esta falta de Diferença PODE ter SIDO devido a todos OS Sujeitos Vestindo um HME, nenhum momento da Avaliação.

O aumento da Frequência Respiratória e pontuação Exame Respiratória encontrada em 20 horas no grupo HME PODE ter SIDO UM Efeito Mecânico Direto, com Espaço morto aumentou e aumento da Resistência das Vias Aéreas. O HME tinha hum Espaço morto de 7 mL e Resistência de 2 cm H2 O / L / s. Em Adultos ambulatoriais respirando espontaneamente atraves de traqueostomia, um HME NÃO diminuiu um Respiratória Função, 19, mas em Adultos ventilados POR Insuficiência Respiratória hum HME diminuição da Ventilação, com hum aumento compensatorio no Trabalho da Respiração. 20 -25 Este aumento do Espaço morto E relativamente Maior em hum Bebê OU Criança Pequena fazer that in hum adulto. Were recrutados Crianças de 1 mes de 16 años. O Filho MAIS Novo da Neste Estudo was de 3,41 kg nenhum e térios INÍCIO Tido hum volume de corrente de Approximatif 10 ml (3-5 mL / kg). O filho Mais Velho Tinha 17 ano de Idade, com hum peso de 56,5 kg e volume de corrente aproximado de 280 mL. Enquanto o aumento do Trabalho Respiratorio PODE NÃO Ser clinicamente Importante, that PODE Aumentar a Energia e como Necessidades calóricas parágrafo a Respiração.

De: Não houve Diferença na Avaliação Visual de secreções das vias Aéreas aspirada em Nenhum dos ESTUDOS. Um Estudo de Adultos ventilados na UTI descobriram Que Todos Os individuos tinham secreções Finas, enquanto no HH, e secreções moderadas OU DEPOIS grossos de Vários dias de Tratamento com HME. 7 A ausencia de Diferença não Nosso Estudo PODE Ser DEVIDA Ao volume de menor da secreção, os volumes de sistema operacional o menor * Tamanho do cateter de sucção USADO, como Forças de cisalhamento de 100 mm Hg de sucção, or Menores de fluido aspirado atraves do cateter.

Enquanto como Diferenças Clínicas Entre HH e HME PODE Ser devido a UO Associada a Mudanças na reologia secreção OU Inflamação, pudemos demonstrar NAO ISSO EM NOSSOS ESTUDOS. Como citocinas were coletadas no local, da traqueostomia e, portanto, PODE Ter Sido Horas Produzida Antes não trato respiratorio inferiores. RESPOSTA um hum insulto de citocinas PODE demorar horas e disparadores interacções envolvem as between OS inflamatórias, Células inflamatórias-residentes, e uma Migração de Células inflamatórias Pará S local inicial da lesão, similar tardia à RESPOSTA na asma. 26 NOSSOS Resultados viscoelasticidade São Mais Baixos fazer that OS ESTUDOS Anteriores, that analisaram muco das Amostras das vias Aéreas OU escarro. As Nossas Amostras incluiu a totalidade da Amostra secreção das vias Aéreas, muco NÃO o Componente Sozinho, incluíndo Uma Quantidade de Líquido Camada periciliar e condensado.

Tambem foi realizada Uma Pesquisa qualitativa paralelo, entrevista com OS PAIS de 10 Crianças. 27 Descobrimos that na Gestão de Cuidados de SEUS Filhos, OS pais de Crianças com traqueostomia em relaçao como dificuldades de USAR UM Tratamento contra SEUS Benefícios Para a Saúde da Criança, diminuição da Preocupação dos pais, e menor necessidade de o pai de Acordar No Meio da Noite. A maioria dos pais entrevistados eleitos parágrafo Continuar usando o HH, mas Alguns eleitos para Usar HME when como dificuldades de HH superavam OS Benefícios.

O Pequeno * Tamanho da Amostra E UMA limitação em AMBOS OS ESTUDOS, Mais acentuadas não Número de Amostras de secreção available Pará Análise. A Investigação planeada foi baseado em Números de Inserção traqueostomia em Anos Anteriores. No entanto, com a Melhoria da Ventilação NÃO invasiva houve Menos patients, e aqueles Que tinham traqueostomia were decanulados MUITO MAIS rápidamente. Como ASSIM, MUITAS dessas children were colocadas EM Cuidados, Tornando-o inadequado parágrafo enguias Serem incluidos no Estudo.

CONCLUSÕES

Nas Crianças com traqueostomia, Durante um HH Noite POR 10 Semanas reduziu o Número de Eventos Clínicos Agudos e foi Associada com Menos retiradas de Estudo e Uma Melhor Satisfação dos pais. Durante hum Período de 20 horas a HME causou Maior esforço respiratorio fazer that um HH. Recomendamos o USO HH para Crianças com secreções Espessas, Infecções pulmonares de repetição, or admissão hospitalar Recorrente Para uma Doença Respiratória. Um Estudo Multicêntrico seria Útil parágrafo Investigar o Método Mais Adequado de umidificação para Crianças com traqueostomia.

AGRADECIMENTOS

Notas de rodapé

  • Correspondência: David G McNamara MBChB FRACP PhD, do Departamento de Pediatria do Hospital de Starship Children, Park Road Grafton, Auckland 1024 Nova Zelândia. E-mail: davidmcadhb.govt.nz.
  • Copyright © 2014 POR Dédalo Empresas

Referências

  1. Primiano FP Jr.
  2. Montague FW Jr.
  3. Saidel GM

. Sistema de Medição Para a Dinâmica de vapor de Água e de temperatura respiratórias. J Appl Physiol Respir Environ Exerc Physiol 1984; 56 (6): 1679-1685.

  1. Irlbeck D

. MECANISMOS Normais de Troca de calor e Humidade não respiratorio trato. Respir Cuidados Clin N Am 1998; 4 (2): 189-198.

  1. Sherman JM.
  2. Davis S.
  3. Albamonte-Petrick S.
  4. Chatburn RL.
  5. Fitton C.
  6. Verde C.
  7. et ai

. Cuidado da Criança com Uma traqueostomia chronic. This declaração oficial da American Thoracic Society foi Aprovado Pelo Conselho de ATS de Administração, de Julho de 1999. Am J Respir Crit Care Med 2000; 161 (1): 297-308.

  1. Edwards EA.
  2. Byrnes CA

. dificuldades de umidificação EM DUAS CRIANÇAS traqueostomizados. Anaesth Intensive Care 1999; 27 (6): 656-658.

  1. Liu LL.
  2. Gallaher MM.
  3. Davis RL.
  4. Rutter CM.
  5. Lewis TC.
  6. Marcuse EK

. O Uso de hum Escore clínico respiratorio Entre OS DIFERENTES fornecedores. Pediatr Pulmonol 2004; 37 (3): 243-248.

  1. Suzukawa M.
  2. Usada Y.
  3. Numata K

. Os Efeitos Sobre as Características de escarro de COMBINAR UM umidificador NÃO aquecida com hum filtro de calor e baixa umidade Troca. Respir Cuidados 1989; 34 (10): 976-984.

  1. Branson RD.
  2. Davis K Jr.
  3. Campbell RS.
  4. Johnson DJ.
  5. Porembka DT

. Umidificação na Unidade de Cuidados Intensivos. Estudo prospectivo de Um Novo protocolo utilizando umidificação aquecida e hum umidificador condensador higroscópico. Chest 1993; 104 (6): 1800-1805.

  1. Takishima T
  1. Rei M.
  2. Rubin BK

. Muco reologia: Relação com o transporte. In: Takishima T. editor. secreção das Vias Aéreas: bases fisiológicas PARA O Controle da hipersecreção de muco. Nova Iorque. Mareei Dekker; 1994. 283 – 314.

  1. Senn S

. Ensaios cross-over em Pesquisa Clínica. Chichester. John Wiley & Filhos; 2002.

  1. Williams R.
  2. Rankin N.
  3. Smith T.
  4. Galler D.
  5. Seakins P

. Relação Entre a Humidade e uma temperatura de gas inspirado e uma Função de da mucosa das Vias Aéreas. Crit Care Med 1996; 24 (11): 1920-1929.

  1. Cohen IL.
  2. Weinberg PF.
  3. Fein IA.
  4. Rowinski GS

. oclusão tubo endotraqueal Associada Ao se uso de trocadores de calor e umidade na Unidade de Cuidados Intensivos. Crit Care Med 1988; 16 (3): 277-279.

  1. Martin C.
  2. Perrin G.
  3. Gevaudan MJ.
  4. Saux P.
  5. Gouin F

. Calor e trocadores de umidade e vaporização umidificadores na Unidade de Cuidados Intensivos. Chest 1990; 97 (1): 144-149.

  1. Kollef MH.
  2. Shapiro SD.
  3. Boyd V.
  4. Prata P.
  5. Von Harz B.
  6. Trovillion E.
  7. et ai

. Um Ensaio clínico randomizado comparando Uma de uso prolongado higroscópico umidificador condensador com umidificação aquecida de Água em patients Mecanicamente ventilados. Chest 1998; 113 (3): 759-767.

  1. Roustan JP.
  2. Kienlen J.
  3. Aubas P.
  4. Aubas S.
  5. du Cailar J

. Comparação de calor e umidade trocadores hidrofóbicas com umidificador aquecido Durante a Ventilação mecânica prolongada. Intensive Care Med 1992; 18 (2): 97-100.

  1. Doyle A.
  2. Joshi M.
  3. Frank P.
  4. Craven T.
  5. Moondi P.
  6. Jovem P

. Uma Mudança no Sistema de umidificação PODE Eliminar a oclusão do tubo endotraqueal. J Cuidados Crit 2011; 26 (6): 637; E1 – E4.

  1. Kola A.
  2. Eckmanns T.
  3. Gastmeier P

. Eficacia de trocadores de calor e umidade na Prevenção de pneumonia Associada à Ventilação Mecânica: meta-Análise de Ensaios Clínicos randomizados. Intensive Care Med 2005; 31 (1): 5-11.

  1. Como Jones.
  2. PE Young.
  3. Hanafi ZB.
  4. Makura ZG.
  5. Fenton JE.
  6. Hughes JP

. Um Estudo Sobre o Efeito de Um trocador de calor e umidade resistiva (Trachinaze) Sobre a Função pulmonar e como Tensões de gases sanguíneos em Pacientes Que tenham SIDO submetidos a laringectomía: um Ensaio Clínico Aleatório de 50 Pacientes estudados Ao Longo de hum Período de 6 meses. Head Neck 2003; 25 (5): 361-367.

  1. Merol JC.
  2. Charpiot A.
  3. Langagne T.
  4. Hemar P.
  5. Ackerstaff AH.
  6. Hilgers FJ

. Randomizado Controlado na umidificação pulmonar pós-operatória Apos um total laringectomía: umidificador externo contra o calor ea umidade trocador. laringoscópio; 122 (2): 275-281.

  1. Vitacca M.
  2. Clini E.
  3. Porta R.
  4. Ambrosino N

. O Padrão respiratorio e da mecânica Respiratória em patients Cronicamente traqueostomizados com a Respiração Doença pulmonar obstrutiva crónica espontaneamente atraves de hum umidificador condensador higroscópico. Respiration 1997; 64 (4): 263-267.

  1. Le Bourdelles G.
  2. Mier L.
  3. Fiquet B.
  4. Djedaini K.
  5. Saumon G.
  6. Coste F.
  7. et ai

. Comparação dos Efeitos de trocadores de calor e umidade e umidificadores aquecidos soluço Ventilação e como Trocas gasosas Durante o desmame da Ventilação mecânica Ensaios. Chest 1996; 110 (5): 1294-1298.

  1. Johnson PA.
  2. Raper RF.
  3. Fisher MM

. O Impacto do CALOR e umidade Troca de umidificadores no Trabalho da Respiração. Anaesth Intensive Care 1995; 23 (6): 697-701.

  1. Iotti G.
  2. Olivei M.
  3. Palo A.
  4. Galbusera C.
  5. Veronesi R.
  6. Comelli A.
  7. et ai

. Efeitos Mecânicos desfavoráveis ​​de trocadores de calor e umidade em Pacientes ventilados. Intensive Care Med 1997; 23 (4): 399-405.

  1. Romano E.
  2. Gullo A.
  3. Vacri A.
  4. Bonifacio R.
  5. Caristi D

. Efeitos de hum permutador de calor e Humidade não Equilíbrio do dióxido de carbono Durante a Ventilação mecânica com o circuito de Bain. Eur J Anaesthesiol 1987; 4 (3): 183-186.

  1. Jaber S.
  2. Chanques G.
  3. Matecki S.
  4. Ramonatxo M.
  5. Souche B.
  6. Perrigault PF.
  7. et ai

. Comparação dos Efeitos de trocadores de calor e umidade e umidificadores aquecidos soluço Ventilação e como Trocas gasosas Durante a Ventilação Não-invasiva. Intensive Care Med 2002; 28 (11): 1590-1594.

  1. Pelosi P.
  2. Solca M.
  3. Ravagnan I.
  4. Tubiolo D.
  5. Ferrario L.
  6. Gattinoni L

. Efeitos de trocadores de calor e umidade em Ventilação Minuto, conduzir ventilatório e Trabalho Respiratorio Durante Ventilação de Suporte de pressao em Insuficiência Respiratória Aguda. Crit Care Med 1996; 24 (7): 1184-1188.

  1. Busse WW.
  2. Lemanske RF Jr.

. Asma. N Engl J Med 2001; 344 (5): 350-362.

  1. McNamara DG.
  2. Dickinson AR.
  3. Byrnes CA

. Como percepções e preferencias dos Pais de Crianças com traqueostomia em hum Estudo da terapia de umidificação. Cuidados de Saúde J Criança de 2009; 13 (3): 179-197.

mensagens Relacionados

  • umidificação Aquecida do Sistema …

    Aquecida umidificação Sistema de umidificação E Outra PEÇA parágrafo fundamentais abordar a Equação de Conforto Para Usuários de CPAP, Bem Como a adesão mundial à Terapêutica 1. de Todos os Fabricantes de CPAP …

  • Será, necessidade de Oxigênio umidificação, umidificador de trach.

    Prática de Enfermagem MUITAS vezes ENVOLVE Procedimentos de empresa Sobre a qua há debate OU Incerteza. Na Prática pergunta Que fazemos Especialistas Para determinar Como OS Enfermeiros devem abordar estas Situações …

  • CPAP FAQ, umidade aquecida parágrafo trach.

    CPAP Umidificadores o Movimento do ar CPAP atraves das passagens de ar PODE secar como Vias Aéreas. Umidificadores Preço total: Adicionar a umidade do Fluxo de ar Para Ajudar a Recolher uma irritação das passagens nasais. NÃO SOMENTE …

  • Alta Dose NAC Melhora Pequeno Airway …

    Estudo Mostra NAC reduz a Frequência das exacerbações da DPOC POR Kaycie Rosen Grigel, ND Sobre o autor Kaycie Rosen Grigel, ND. e Um médico naturopata Que É Especialista em Endocrinologia, …

  • umidade aquecida parágrafo trach, umidade aquecida parágrafo trach.

    A traqueostomia IGNORA OS MECANISMOS das vias Aéreas Superiores Normais parágrafo umidificação, Filtração e AQUECIMENTO DOS gases inspirados. Isto É Resulta num aumento da viscosidade de secreções de muco, O Que déprime …

  • FAQ aquecida colchão Pad, aquecedores de mesa de Massagem.

    A. NAO. Na Verdade, com hum bedwarmer ElectroWarmth®, rápido Você PODE Diminuir o calor em Sua Casa Durante A Noite e AINDA dormir confortavelmente. Ao Diminuir o calor em Sua Casa, Você Não tão …