A Infecção Feline respiratorio superior …

A Infecção Feline respiratorio superior …

A Infecção Feline respiratorio superior ...

administrar com Sucesso Infecção Respiratória felina Superior (FeURI) em hum ambiente de Abrigo requer MUITO MAIS fazer that o Tratamento médico de hum gato clinicamente Doentes. Ela Exige hum plano abrigando abrangente that ABORDA O Bem-estar físico e mental, de Cada gato e inclui hum plano de Vacinação Para fornecer hum alto nivel de Protecção da Doença parágrafo hum gato Antes de ENTRAR nenhum ambiente de Abrigo.

Índice:

Introdução

Agentes etiológicos

Infecção bacteriana Secundária

Diagnóstico

De Na maioria das vezes, um agente causador NÃO E identificada em Casos indivíduos de URI. Às vezes, um Melhor suposição PODE Ser Feita com base de em Sinais Clínicos: FCV E relativamente susceptível de Ser Associada com ulceração oral, OU mancando, FHV-1 e Mais susceptível de causar ceratite OU ulceração da córnea (particularmente úlceras dendríticas), Chlamydia e Mycoplasma São Mais comumente Associados com conjuntivite, SEM página Outros Sinais. No entanto, todos PODEM causar sobreposição de Sinais Clínicos e raramente E Possível Fazer hum diagnóstico baseado em Sinais Clínicos em hum gato individual. Em Alguns Casos de testículos Adicionais Para identificar patogénio Específico (s) E Indicado, Exemplo POR,

  • incomuns Sinais, Gravidade UO a Frequência da Doença em Uma População de gatos
  • Maneio Prevista OU protocolo Doença infecciosa alterações (Por Exemplo, os antes de Investir em Vacinação parágrafo hum Determinado patógeno)
  • Questões legais implementadas (Por Exemplo, Investigação de Acumulação, Questões de Responsabilidade)

Em hum surto sepultura em Que OS gatos estao Morrendo OU Sendo sacrificados Como resultado da sepultura URI, necropsia e Histopatologia DEVE Ser realizada. ISSO MUITAS vezes PODE identificar rápidamente uma causa e permitir Uma Intervenção Eficaz. Histopatologia TEM um Vantagem significativa de documentar a Interacção Entre o suposto agente patogénico e o Tecido, O Que permite Uma Avaliação MUITO MAIS Precisa da Verdadeira Função do agente patogénico em Que provocam OS Sinais da Doença observados. Necropsia TAMBÉM PODE permitir a detecção de patógenos inesperados NÃO incluidos Nos Painéis de Rotina URI PCR.

Gestão, Duração da Estadia, e URI

Aglomeração, com SEUS PROBLEMAS ASSOCIADOS, E SEM Dúvida O Maior Fator de Risco subjacente Único Pará Respiratória (e Outras) Doenças em abrigos. Aumento da Densidade populacional Leva um hum Maior Risco de INTRODUÇÃO da Doença, Maior taxa de contacto Entre OS animais, a Qualidade do ar reduzida, e MUITAS vezes, Compromissos em habitação e agricultura. Infelizmente, uma aglomeração de gatos do Abrigo NÃO E Incomum. Em Alguns Casos, ISSO e devido a instalações insuficientes Para abrigar humanamente gatos vadios, Por Um Período de retenção exigido OU Fazer hum Número Razoável available parágrafo Adoção. MESMO QUANDO como instalações adequadas São Pará abrigar perdida e hum Número ideal de gatos adotáveis, Alguns abrigos NÃO identificaram Uma CAPACIDADE Óptima Para Além do qua Eles Não São capazes de Manter gatos Saudáveis ​​OU Maximizar o Lançamento Ao Vivo. Dada a abundancia de gatos Que precisam de casas na maioria das comunidades, aglomeração, inevitavelmente, ocorrer um Menos Que uma CAPACIDADE E estabelecida e Alguma Política ESTÁ em vigour parágrafo Equilibrar o Número de gatos internados com o Número libertadas vivas em base de Uma Contínua (POR Exemplo, Gestão de consumo, fast- Rastreamento gatos se apropriar vias de Lançamento Ao vivo, utilizando um CAPACIDADE Adoção conduzido, e Implementação de Programas Que Salvam Vidas Progressivas, Tais Como Abrigo-neutro-Retorno [SNR] parágrafo gatos Comunidade).

A Redução da Duração da Estadia (LOS)

Um Número Suficiente de gatos e gatinhos devem Estar Disponíveis parágrafo Adoção Para garantir that potenciais adotantes sempre TEM Uma Variedade parágrafo Escolher. Disso Além, não entanto, o Número um Ser adoptadas DEVE basear-se no Ótimo em vez fazer that o Máximo Que PODE possivelmente caber nenhum available Espaço. gatos Menos sem Abrigo Aguardando Adoção vai significar Uma espera Mais Curta Pará Cada hum – se 30 gatos estao available parágrafo Adoção e, em meios de comunicação, hum gatos E adotada um dia Cada, a espera Sera de 30 dias Pará Cada gato. Se APENAS 15 EM UM momento aguardam aprovação, o ritmo medio de aprovação Sera de 15 dias.

Adotantes TAMBÉM PODE ter hum ritmo Mais Fácil Escolher se enguias São confrontados com Menos Escolhas; hum Corpo Crescente de Pesquisas Mostra Que como PESSOAS estao Mais propensos a Fazer Escolhas, e se Sentir Bem Sobre SUA ESCOLHA, QUANDO ELES TEM relativamente poucas opções de that Para Escolher. Uma boa Regra Geral E um de Ter Mais de 7-14 vezes Mais gatos movendo ativamente atraves do Abrigo Para uma adopção fazer that o Número Médio Diário de adoções Para esse mês. (Don’t incluem gatos em Reabilitação activa that NÃO estao Prontos Para Adoção Neste Cálculo.) ISTO NÃO equivale a prazos: LOS Média vai CAIR Naturalmente se Menos gatos São disponibilizados um QUALQUÉR momento.

A Redução do estresse

Se o Alojamento em grupo E Utilizado, Pequenos grupos de 2-4 gatos São preferíveis um Alguns Grandes Para Minimizar a necessidade de adição Frequente e remoção de gatos. MESMO áreas separadas de particionamento Dentro de Uma grande Útil sala PODE ser. esconderijos Proporcionar, diminuindo a Exposição Ao Ruído (especialmente a Exposição de cachorros latindo), mantendo ciclo claro / escuro e temperaturas confortáveis, e fornecendo Brinquedos e coçar Superfícies also São IMPORTANTES parágrafo ALIVIAR o estresse felina. o manuseio desnecessário PARA O Tratamento DEVE minimizado Sor – o Benefício teórico de intervenções Que envolvem uma Manipulação aversivo OU medicação Forcada DEVE Ser pesado contra o estresse Certo Estes Procedimentos causam.

Desinfecção

Estudos Independentes demonstraram repetidamente that desinfetantes de amonio quaternário (Por Exemplo Triple Two®, Rocal®) De: Não matam de forma confiavel vírus un-envelopados, apesar de repetidas reformulação e etiqueta alegações de eficacia. Além Disso, uma Exposição a concentrações Elevadas de Produtos de amonio quaternário PODE Levar à Toxicidade e síntomas that mimetizam Infecções respiratórias Superiores sepulturas, incluíndo febre, úlceras orais, e anorexia, afectando ASSIM negativamente o Bem-Estar dos Animais EO Reconhecimento da Doença de Confusão .

Qualidade do Ar

Embora a Transmissão aerossol per Sé e de importancia mínima, a Qualidade do e ar, sem Dúvida, Importante Para a Saúde Respiratória e Controle URI. A Qualidade do Ar e Relevante Ao nivel do Gato’s nariz, NÃO O Quarto los Geral. Gaiolas UO condomínios Que estao Abertos em Pelo Menos Dois Lados oferecem Melhor Ventilação passiva fazer that aqueles Que estao Abertos em APENAS UM Lado. gatos de habitação em gaiolas Totalmente Fechadas (todos Os Quatro Lados, superior e inferior) Resulta em má Qualidade do Ar e DEVE Ser evitado um Menos Que Cada gaiola E individualmente ventilado ativamente. Embora a Troca de ar fresco e frequentemente enfatizado, um DOS Redução contaminantes do ar e Tao do UO Mais Eficaz (Por Exemplo, atraves da Redução da Densidade populacional, Frequente de Limpeza da Caixa de Areia, baixa de areia Poeira, se uso de desinfetantes na diluição Correta ). Filtragem de ar (SEJA OU, filtro HEPA) PODE Ser tentado, embora SEJA Menos Eficaz fazer that uma Troca de ar fresco OU Redução de contaminantes. Filtros devem Ser substituídos com Frequência Para Evitar Que se tornem Uma fonte de Infecção. Filtros de ar com base de ozono devem evitados Ser, Como o PRÓPRIO Ozônio PODE Ser hum irritante respiratorio.

Habitação

Além Disso, uma Separação Entre a Alimentação, descanso e áreas de eliminação DEVE Ser maximizado (distância triangulada Mínima de 2 PSE). Habitação, that los Geral se Reúne estas RECOMENDAÇÕES TEM Espaço de 9ft2in OU superior. Se o Alojamento em grupo E Utilizado em abrigos, gatos DEVE Ser combinado com Parceiros compatíveis e monitorados de Perto PARA O Comportamento monitores Normais. Pequenos grupos de 2-4 gatos São Muito preferido para grupos MAIORES, um Fim de Diminuir o Risco de Transmissão da Doença e permitir hum Acompanhamento Adequado parágrafo Bem-Estar comportamental e médica. Gatinhos com Menos de cinco meses de Idade NÃO devem Ser alojados em grupo, EXCETO com Ninhada, um Fim de Diminuir o Risco de Transmissão de Doenças infecciosas Nesta População vulnerável.

Vacinação

Isolamento

MUITOS gatos lançar patógenos URI sem apresentar Sinais Clínicos, dai a necessidade de precauções de higiene cuidadosa Até Ao manusear gatos Aparentemente Saudáveis. Os gatos com Sinais de Infecção activos São susceptíveis de Ser Muito derramamento de MAIORES quantidades de vírus. O Isolamento destes gatos da População em Geral E hum Requisito parágrafo AINDA UM Programa de Controlo de Doença Mínima. Na gaiola de Isolamento E aceitável se o involucro E de tal forma Que o gato PODE Ser Efectivamente Separados de Outros gatos e Tratados de Uma tal Maneira Que fomite Transmissão E Totalmente evitada. A maioria das habitações Abrigo Exige Que OS gatos Ser transferida parágrafo hum in quarto separado parágrafo Obter o Isolamento significativa. ISTO TAMBÉM E benefico Para fornecer hum Tratamento Mais Eficiente e evita a Percepção de that o Abrigo E APENAS “Cheio de gatos Doentes”.

MUITOS gatos AINDA estao derramando quantidades aumentadas POR algumas Semanas apos a Recuperação. Idealmente Estes gatos NÃO Iria Ser Misturado diretamente de Volta para a População em Geral, or Pelo Menos NÃO COM como Populações vulneráveis, Como gatinhos OU recém-chegados. No entanto, o Risco de Transmissão E MUITO reduzida Uma Vez Que OS Sinais Clínicos were Totalmente resolvidos, e re-INTRODUÇÃO destes gatos na População Geral Saudável geralmente NÃO apresenta Grandes Problemas. Se hum ciclo crónico da URI ocorre apos reintrodução de gatos recuperados, re-avaliar a Gestão do estresse e aglomeração. Adicionais considère Diagnósticos, se o Problema persistir, MESMO em enfrentar de Boas Praticas de Criação e Controle do estresse.

Tratamento

A DEVE Ser Prevenção a pedra angular da Gestão URI EM abrigos. Uma vez Que OS gatos Doentes ficam, Mais de Metade da Batalha ESTÁ perdida. MESMO em abrigos capazes de fornecer treatment, gatos Doentes VAO sofrer atraves de hum feitiço de forma Isolada, aglomerando e Os custódio VAO Aumentar à Medida Que OS gatos São mantidos parágrafo treatment, a Confiança do Público PODE Diminuir, e ritmo da Equipe E desviado de esforços preventivos e adoções. Alguns gatos sofrem Complicações crônicas e Até MESMO Fatais de URI.

Dito Isto É, o Tratamento e Um Componente Importante da Gestão URI, parágrafo a População, Bem Como o gato individual. Do moral Pessoal e Apoio da Comunidade los Geral, melhora QUANDO OS gatos Doentes PODEM Ser Tratados. Leia As Nossas fichas de Informação em Uma DISCUSSÃO Sobre o Tratamento baseado em Sinais Clínicos e hum protocolo de Tratamento padronizado de Amostra.

Não Há Nenhum Benefício sem Tratamento de Casos agudos da URI Por Um Período de ritmo Específico; Antibióticos PODE Ser interrompido Sinais Uma Vez clínica resolve (se o monitoramento de e irregular, PODE Ser Melhor Para Continuar 2-3 dias APOS O Último Sinal observado de URI, não Caso de algumas Últimos espirros were perdidas). Crónica URI UO Suspeita de Infecção POR clamídia E UMA Questão diferente. Nestes Casos, o Tratamento de 6-8 Semanas, PODE Ser necessaria Para resolver Totalmente a Infecção.

Com QUALQUÉR Tratamento that ENVOLVE um Manipulação e Manipulação de gatos, o Risco de PROPAGAÇÃO da Doença E Aumentada, e Tratamento em si PODE Ser Muito estressante parágrafo gatos e cuidadores igualmente. DEVE tratamento excessivo, portanto, ser evitado. Embora POSSA Ser tentador tentar Uma Variedade de Tratamentos anedóticos UO dar Antibióticos APENAS parágrafo Estar Fazendo algo sobre esta Doença frustrante, idealmente, o treatment DEVE Ser limitado Às terapias parágrafo OS Quais Existe hum razoavelmente forte justificativa clínica.

A maioria dos Casos de URI IRA resolver Dentro de 7-10 dias. Alguns gatos PODEM Levar Mais ritmo OU PODEM Nunca se Recuperar sem Abrigo, mas se hum ritmo Maior parágrafo a Recuperação E a Regra e NÃO uma Exceção, Novamente re-avaliar o Controle de stress, apinhamento e Cuidar de gatos em treatment.

Avaliar gatos do Abrigo COM URI crónica Pará Contribuintes OS PROBLEMAS, Como pólipos nasais, Corpos Estranhos, e Doença imunossupressora, tal Como seria de abordar QUALQUÉR Outro Paciente individual. Se estas OUTRAS Causas São descartadas, Antibióticos de Longo Prazo com boa penetração nsa Tecidos PODEM ALIVIAR OS síntomas. Estes gatos NÃO devem Permanecer sem Abrigo de Longo Prazo APENAS esperando por Sinais Clínicos Para resolver, pois ISSO PODE Nunca ocorrem. Tenha em mente Que, Porque URI E Fortemente Associada com o estresse, vezes POR, um “Melhor Remédio” Para Casos persistentes E Sair do Abrigo. Alguns Pará gatos, Os síntomas VAO resolver qualquer ambiente Doméstico de Assistência social. MESMO SE OS Sinais Clínicos NÃO resolverem em hum orfanato, E parágrafo ideal Estes gatos Para Ser colocado atraves de lar adotivo / adopção baseada na Internet / FORA DO locais de Eventos de da adopção EM that uma Condição PODE Ser explicada AOS potenciais adotantes contra persistente, espirros , em o Abrigo.

Para garantir o pronto Reconhecimento, cuidado e Controle do Felino URI, Políticas Escritas e Protocolos, Desenvolvido com a Supervisão veterinária, DEVE Ser posto em Prática. O Pessoal TAMBÉM DEVE USAR Folhas de Observação do Lado da Gaiola Para gravar Sinais Clínicos Diários parágrafo PROMOVER o Reconhecimento Imediato de Resolução clínica OU deterioração, garantindo ASSIM O Bem-Estar dos animais E mantida EM momentos de Todos os.

Para Obter AINDA MAIS INFORMAÇÕES Consulte:

  • Dr. Hurley’s palestra apresentada à Universidade de Wisconsin Shelter Medicine Classe na quinta-feira 11 de abril de 2013

Referências:

  1. Bannasch, M. J. e J. E. Foley, Avaliação epidemiológica de Vários patógenos respiratórios em gatos em abrigos de animais. J Feline Med Surg, 2005. 7 (2): p. 109-19.
  2. Blum S, D Elad, Zukin, N. et al. Surto de Streptococcus equi subsp. Infecções zooepidemicus em gatos. Vet Microbiol. 2010; 144 (1–2): 236–239.
  3. Hum Bradley, J Kinyon, Frana T, et al. A eficacia da Administração intranasal de Uma Vacina viva modificada e hum herpesvírus felino calicivírus felino contra a Doença causada Pela Bordetella bronchiseptica APOS desafio experimental. J Vet Intern Med 2012; 26: 1121–5.
  4. Dinnage, J. D. J. M. Scarlett, e J. R. Richards, epidemiologia descritiva da Doença do trato respiratorio felino superiores em hum Abrigo de animais. J Feline Med Surg 2009.
  5. Donati, M. et ai. Feline chlamydiosis ocular: Efeitos Clínicos e microbiológicos de terapia tópica e sistêmica. New Microbiol, 2005. 28 (4): p. 369-72.
  6. Dossin, O. P. Gruet, e E. Thomas, Avaliação de campo de Marbofloxacina Comparativo comprimidos sem Tratamento de Infecções respiratórias Superiores felinos. J Pequeno Anim Pract, 1998. 39 (6): p. 286-9.
  7. Dvorak, G. e C. Petersen, Saneamento e Desinfecção, não Infectious Disease Management em abrigos de animais, L. Miller e K. F. Hurley, Editors. 2009, Wiley-Blackwell: Ames, Iowa. p. 49-60.
  8. Edinboro, C. H. et ai. Um Ensaio clínico de Vacinas intranasais e subcutâneos para Prevenir a Infecção Respiratória em superiores gatos num Abrigo parágrafo animais. Feline Practice, 1999. 27 (6): p. 7-13.
  9. Edwards, D. S. et al. Fatores de risco PARA O ritmo de diagnóstico da Doença Respiratória felino trato superior, sem Reino Unido abrigos de Adoção de animais. Anterior Vet Med, 2008. 87 (3-4): p. 327-39.
  10. Gaskell, R.M. e R. C. Povey, Indução Experimental da excreção re- Vírus da rinotraqueíte felina viral em gatos FVR-recuperados. Vet Rec, 1977. 100 (7): p. 128-33.
  11. Gaskell, R.M. e R. C. Povey, Transmissão de felina viral rinotraqueíte. Vet Rec, 1982. 111 (16): p. 359-62.
  12. Gourkow, N. Fatores Que afetam a taxa de bem-estar e Adoção de gatos em hum Abrigo de animais. 2001, Universidade de British Columbia.
  13. Hartmann, A. D. et ai. Eficacia de pradofloxacina em gatos com Feline respiratorio Doença Superior do devido trato à Chlamydophila felis OU Mycoplasma Infections. J Vet Intern Med, 2008. 22 (1): p. 44-52.
  14. Hickman, M.A. et ai. Uma epizootia de herpesvírus felino, tipo 1 em Uma grande colônia Específica gato Livre de patógenos e como tentativas de para erradicar a Infecção Pela identificação e DOS abate Transportadores. Lab Anim, 1994. 28 (4): p. 320-9.
  15. Huang, C. et al. A dupla estirpe de Vacina calicivírus felino Estimula Anticorpos de neutralização cruzada Mais Amplas fazer that Uma Vacina de estirpe unica e Diminui OS Sinais Clínicos em gatos vacinados when desafiados com Uma cepa calicivírus felino homóloga Associada à Doença sistémica virulenta. Journal of Feline Medicine & Cirurgia de 2010. 12 (2): p. 129-137.
  16. Hurley, K. F. et ai. Um surto da Doença calicivírus felino sistémica virulenta. J Am Vet Med Assoc, 2004. 224 (2): p. 241-9.
  17. Ichinohe, T. et ai. Microbiota regula Defesa imunológica contra a gripe trato respiratorio A Infecção cabelo vírus. Proc Natl Acad Sci U S A, 2011. 108 (13): p. 5354-9.
  18. Klahn, S. et ai. Fatores Relacionados à Doença Respiratória Feline em Complex hum Abrigo Aberto admissão. em Merck / Merial National Veterinary Scholar Simpósio. 2005. Baton Rouge, Louisiana
  19. Lauritzen, A. O. Jarrett, e M. Sabara, uma Análise sorológica de calicivírus felino Isolados de Estados Unidos e Reino Unido. Microbiologia Veterinária, 1997. 56 (1-2): p. 55-63.
  20. Litster, A. L. et al. Efeito clínico e de dose antiviral de Uma via oral Única de famciclovir administrado a gatos na ingestão de hum Abrigo. Veterinary Journal, 2014. Epub
  21. Senhor, L.K. et ai. Saúde e Comportamento Problemas em cães e gatos Uma semana e hum Mês Apos uma adopção de abrigos de animais. J Am Vet Med Assoc, 2008. 233 (11): p. 1715-1722.
  22. Maggs, D.J. M. P. Nasisse, e P. H. Kass, a eficacia da suplementação com oral de L-lisina em gatos latentes infectadas com o herpesvírus felino. Am J Vet Res, 2003. 64 (1): p. 37-42.
  23. Maggs, D. J. Terapia Antiviral parágrafo herpesvírus felino Infections. Clínicas Veterinárias de Prática animais North America-Small, 2010. 40 (6): p. 1055- +.
  24. McManus CM et ai. Prevalência de patógenos do trato respiratorio em superiores Quatro modelos de Gestão parágrafo gatos sem dono não Sudeste dos Estados Unidos. O Veterinary Journal, 2014. 201 (20): p. 196-201.
  25. Newbury, S. P. et ai. Um teste de campo Controlado POR placebo de Uma Vacina intranasal de vírus felino calici e vírus do herpes feine para Prevenir Sinais Clínicos de Felino Complexo de Doença Respiratória infecciosa em hum Abrigo de animais. na Conferencia dos Trabalhadores de Pesquisa em Doenças Animais, Anais da Reunião Anual 88. 2007. Chicago.
  26. Owen, W.M.A. et ai. Eficacia de Azitromicina Para o Tratamento da chlamydophilosis felino. Journal of Feline Medicine & Cirurgia, 2003. 5 (6): p. 305-311.
  27. Pedersen, N. C. et ai. Infecções por vírus Comuns em gatos, Antes E Depois de Serem colocados em abrigos, com ênfase em coronavírus entérico felino. J Feline Med Surg, 2004. 6 (2): p. 83-8.
  28. Pesavento PA, Bannasch MJ, Bachmann R, et al. Infecções Fatais Streptococcus canis gatos EM do Abrigo intensamente alojados. Vet Pathol. 2007; 44 (2): 218–221.
  29. Polak, K. C. et ai. Doenças infecciosas EM Investigações açambarcamento gato grande escala. O Veterinary Journal, 2014. 201: p. 189–195.
  30. Poulet, H. et ai. A eficacia de Uma Vacina bivalente inactivada sem adjuvante calicivírus felino: Relação Entre in vitro neutralização cruzada e Protecção heteróloga in vivo. Vacina de 2008.
  31. Ruch-Gallie, R.A. et ai. A eficacia de amoxicilina e Azitromicina PARA O Tratamento empírico de gatos do Abrigo com Suspeita de Infecções respiratórias bacterianas. J Feline Med Surg, 2008. 10 (6): p. 542-50.
  32. Schulz, B.S. G. Wolf, e K. Hartmann, OS RESULTADOS DOS testículos de Sensibilidade bacteriológica e Antibióticos EM 271 gatos COM Infecções do trato respiratorio. Vet Rec, 2006. 158 (8): p. 269-70.
  33. Speakman, A. J. et ai. susceptibilidade antimicrobiana de Bordetella bronchiseptica Isolados de gatos e Uma Comparação dos Métodos de diluição e de E-teste de agar. Vet Microbiol, 1997. 54 (1): p. 63-72.
  34. Steneroden, K.K. A. E. Hill, e M.D. Salman, Uma Avaliação das Necessidades e pesquisa demográfica de Infecção-Controle e Consciência da Doença em abrigos de animais Ocidentais dos Estados Unidos. Anterior Vet Med, 2011. 98 (1): p. 52-7.
  35. Stiles, Manifestações oculares J. de Doenças Virais felinos. Vet J, 2014. 201 (2): p. 166-173.
  36. Sturgess, CP et ai. Controlado Estudo da eficacia da amoxicilina potenciada POR ácido clavulânico não Tratamento de Chlamydia psittaci em gatos. Vet Rec, 2001. 149 (3): p. 73-6.
  37. Sykes, J. E. et al. Sensibilidade diferencial da cultura e da Reação em Cadeia da polimerase parágrafo detecção de herpesvírus felino 1 em gatos vacinados e NÃO vacinados. Archives of Virology, 1997. 142 (1): p. 65-74.
  38. Sykes, J. E. et al. Detecção de calicivírus felino, herpesvírus felino 1 e clamídia Cotonetes® mucosas psittaci POR multiplex RT-PCR / PCR. Vet Microbiol, 2001. 81 (2): p. 95-108.
  39. Thomasy, S.M. Lim, C.C. Reilly, C. M. Kass, P. H. Lappin, M. R. Maggs, D. L.
  40. Avaliação do famciclovir administrado por vía em via oral gatos infectados experimentalmente com
  41. Tipo-1 felino herpesvírus. American Journal of Veterinary Research, 2011. 72, p. 85–95.
  42. Thomasy, S. M. et al. Farmacocinética fazer famciclovir e penciclovir em lagrimas apos a via oral Administração de famciclovir parágrafo gatos: um Estudo piloto. Oftalmologia Veterinária, 2012. 15 (5): p. 299-306.
  43. Veir, J. et ai. Prevalência de FHV-1, Mycoplasma spp. e Bactérias aeróbicas em gatos do Abrigo com aguda respiratorio Doença Superior do trato. em Fórum ACVIM. 2004. Minneapolis, MN.
  44. Veir, J. K. et ai. Prevalência de Organismos Infecciosos selecionados dos e Comparação de Dois LOCAIS de Amostragem Anatômicas em gatos do Abrigo com Doença do trato respiratorio superior. J Feline Med Surg, 2008. 10 (6): p. 551-7.
  45. Wardley, R.C. e R. C. Povey, Transmissão aerossol de caliciviruses felinos. Uma Avaliação da SUA importancia epidemiológica. Br J Vet, 1977. 133 (5): p. 504-8.

mensagens Relacionados

  • Cat Flu (trato respiratorio superior …

    Tambem conhecida Como Doença do trato respiratorio superior. gripe fazer gato e Um termo Geral USADO parágrafo descrever hum Conjunto Comum de síntomas do trato respiratorio superior. cólica do Gato E MUITO semelhante AO das gripes e resfriados …

  • Cat Fria, o meu gato TEM Uma Infecção ocular.

    Frio Cat E devido a bacteriana Uma Infecção sem nariz. Os síntomas incluem espirros e descarga de muco. O Tratamento Inicia-se com a Limpeza do nariz e no Caso de Infecção a utilização de …

  • Infecção Cat Tratamento Eye, gato descarga de Infecção ocular.

    A Infecção do olho de gato NÃO portanto E doloroso PARA O felino vive-la, mas also Difícil PARA O dono do animais parágrafo testemunhar. Felizmente parágrafo hum gato e Seu dono, há opções de Tratamento Disponíveis para …

  • respiratórias Gato Espirros Infecções …

    Um Espirro ocasional em hum gato e e normal, sem Verdadeira causa parágrafo alarme. Tal Como nsa Seres Humanos, espirros em gatos E UMA Libertação explosiva de ar atraves do nariz e da Boca – MUITAS vezes, uma RESPOSTA do Organismo um …

  • Síntomas Problemas do olho de gato e Tratamento, olho de gato felino.

    Sinais de Problemas do olho de gato resultar em síntomas Como vermelhidão, secreção e Inflamação. MUITAS vezes, um Veterinário PODE diagnosticar hum Problema Simplesmente de examinar O Olho (ver orientar a condições que …

  • A Infecção do olho de gato O Tratamento com …

    Infecções do Olho do Gato desenvolver devido a Vários Factores, Tais Como vírus, bactérias, Infecções fúngicas e alérgenos. Alguns animais de estimação TAMBÉM PODEM desenvolver Problemas oculares crônicas devido à Exposição a certos vírus ….